quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Micro-ondas: ravióli de espinafre com cogumelos

Há pessoas que detestam micro-ondas, outras apenas o suportam e utilizam no máximo para aquecer alguma coisa. Eu, ao contrário, adoro tecnologia e acho que ela tem ser aproveitada para facilitar a vida, sem preconceitos (embora eu não negue que tenha os meus).

Venho fazendo pequenos experimentos no micro-ondas, alguns com resultados constrangedores, outros bem satisfatórios. Neste último grupo estão estes raviólis. A ideia surgiu da inegável preferência da Anaís por massas e de um molho de espinafre que estava na gaveta debaixo da geladeira, murchinho, tristonho, pensando que seu destinho seria a lixeira.

Ingredientes para o molho:

2 colheres de azeite

1 cebola média bem picada

4 tomates grandes maduros bem picados

1 folha de louro

1/2 xícara de água

1/2 colher de sobremesa de estragão seco (se preferir, use manjericã
o)
sal e pimenta-do-reino a gosto


Ingredientes para recheio

2 colheres de sopa de azeite

3 dentes de alho bem picados

6 ou 7 cogumelos paris frescos bem picados (cerca de 80g)

1 molho espinafre
n
oz-moscada a gosto (ralada na hora)

1 colheres de farinha de farelo de arroz integral torrada ou farinha de rosca

sal a gosto


Ingredientes para montar o ravióli
1/2 pacote de massa fresca para lasanha que não precise de precozimento (mais ou menos 250g)

1 ovo batido


Modo de fazer o molho
1. Doure levemente a cebola no azeite.
2. Acrescente os tomates, mantendo o fogo baixo. Quando eles estivem moles, acrescente a água.

3. Quando a fervura estiver alta, junte os temperos. Deixe uns dois minutos e desligue.


Modo de fazer o recheio

1. Doure levemente o alho no azeite.

2. Acrescente o cogumelo, mexa e deixe amaciar um pouquinho.

3. Junte o espinafre, lavado e com as folhas picadas.

4. Quando o
espinafre tiver murchado, junte a noz-moscada, a farinha e o sal.

Montagem

1. Em uma superfície lisa e levemente enfarinhada, abra metade da massa de lasanha.

2. Coloque sobre ela montinhos de recheio e pincele, com o ovo, linhas em torno desses montinhos. Isso fará com que a massa não "descole" no cozimento.

3. Sobreponha a outra metade da massa à que j
á está na mesa com o recheio. Aperte bem no local onde foi pincelado, para as massas grudarem.
4. Corte em retângulos.

5. Em um refratário, coloque uma parte do molho de tomate, quente. Coloque sobre os raviólis e cubra com bastante molho.
Importante: não coloque um ravióli sobre o outro, porque gruda no cozimento. Aconteceu comigo!

6. Leve ao micro-ondas, em potência máxima, por 7 minutos. Verifique se já está cozido. Se não, deixe m
ais alguns minutos. Sirva quente.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Sobre as qualidades de um bom confeiteiro, segundo Leonardo da Vinci

Neste post, falei sobre livros que comprei na Feira do Livro de Porto Alegre em 2007. Estou devendo as compras de 2008. Destaquei "Os cadernos de cozinha de Leonardo da Vinci", que encontrei, em edição esgotada, em um sebo. Há controvérsias sobre a autenticidade da autoria do livro, mas não existe qualquer dúvida sobre quão saboroso é o texto, com opiniões bastante interessantes e divertidas, para nossos olhos contemporâneos, sobre gastronomia e costumes na Renascença.

Destaco este apontamento, no capítulo Conselhos e Observações, intitulado "Sobre as qualidades de um bom confeiteiro". O velho Leonardo se surpreenderia com a confeitaria atual e certamente se cansaria bem menos.

"Em primeiro lugar, deve tratar-se de um homem, já que uma mulher não poderá erguer grandes quantidades de marzipã.

Em segundo, deve ser limpo, já que notar a sujeira do confeiteiro é muito desagradável para aqueles que estão para provar suas criações. Tampouco deve ter cabelo comprido, pois pode transferir alguns deles a seus confeitos.


Finalmente, deve ter estudos de arquitetura, já que, carecendo de conhecimentos sobre resistências e pesos, não poderá realizar suas criações de modo que não caiam."