sábado, 20 de dezembro de 2008

Confraria no Natal – Tortinhas de massa filo com ganache de chocolate com pimenta

Está chegando o Natal. Eu não sou religiosa, nem espiritual nem coisa parecida, mas gosto de bom papo e comida boa. As festas de fim de ano são propícias a ambos. Nossa confraria, ainda sem nome, reuniu-se para comemorar a data. Fiz uma decoração especial, cada um trouxe uma comida bacana. Como sempre, comemos, bebemos e conversamos muito. Amigos são o que há de bom na vida, não é?
Bem, para a ocasião, eu fiz meu panetone salgado, um grande sucesso. E fica bom mesmo. Eu queria, além disso, um doce com cara de Natal. Descartei o panetone, pois a Ana trouxe um e o Rubi, um chocotone. Dei uma pesquisada, mas, como estava sem tempo, acabei por aproveitar umas forminhas de massa filo que eu havia assado com outra finalidade. Não vou ser falsamente modesta: ficaram lindos, deliciosos e com a cara do Natal.
Estou esperando que a Odete e o Gaspar mandem suas receitas para postar.


Ingredientes para a massa:
1 pacote de massa filo descongelada em temperatura ambiente
1/2 xícara de manteiga derretida para pincelar a massa (quantia aproximada)

Ingredientes para a ganache:
250g de chocolate meio amargo
100g de chocolate ao leite
1 lata de creme de leite com soro (usei um caixinha de 200g, creme de leite UHT)

1/2 xícara de vinho do Porto
2 colheres de sopa de pimenta-rosa
cerejas frescas para decorar


Modo de fazer a massa:
1. Corte a massa em quadrados de 7cm.
2. Para cada tortinha, você vai precisar de dois quadrados. Pegue um deles, pincel a manteiga derretida e cubra com o segundo quadrado, cuidando para as pontas fiquem desencontradas (isso dá um bonito efeito de pontas).
3. Coloque a massa em forminhas de empada, pressionando no fundo e nas laterais. Não precisa untar.
4. Leve ao forno preaquecido a 150º. Estarão prontas quando a massa estiver levemente dourada.
5. Quando estiverem mornas, desenforme.

Modo de fazer a ganache:
1. Derreta o chocolate em banho-maria ou no microondas (deixe 40s, tire e mexa; se não estiver derretido, deixe mais 20s).
2. Junte ao chocolate derretido a caixa de creme de leite, o vinho do Porto e a pimenta (esfregue a pimenta nas mãos, grosseiramente, para liberar o aroma e o sabor).
3. Deixe e esfriar e leve à geladeira.

Montagem:
1. Quando a ganache estiver gelada, use-a para rechear as tortinhas, com o auxílio de uma colher de chá (de duas a três colheres por tortinha).
2. Para finalizar, decore com uma cereja.

Dica: você pode deixar as tortinhas assadas, guardadas em um vidro bem fechado, por até um mês. Recheie na hora de servir.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Pêssegos em calda sem aditivos ruins ou sujeiras, segundo o Instituto Pró-Teste


Festas de fim de ano e frutas em calda têm tudo a ver, mas a qualidade muitas vezes deixa a desejar. Por isso achei legal partilhar com vocês estes testes feitos pelo Instituto Pró-Teste com nove marcas de pêssego em calda. Segundo o estudo, dá para comer sem preocupação. Todos se mostraram limpos, sem contaminação microbiológica e sem conservantes ruins para a saúde (como pesticidas).

O melhor desempenho foi o da marca Great Value. No entanto, o Pró-Teste destaca como "escolha certa" o da Neumann, que teria a melhor relação preço/qualidade. As duas marcas não são encontradas na Bahia e em Minas Gerais, onde são recomendadas, então, respectivamente, Carrefour e Olé.

As marcas Embaixador, Oderich, Red Indian e Olé apresentaram erros nas informações nutricionais.
O Pró-Teste destaca que não dá para substituir, no dia-a-dia, a fruta em conserva pela in natura. No processamento, os pêssegos perdem boa parte de suas fibras, devido à retirada da casca. Em relação ao teor de fibras, a média das marcas ficou em 0,7% (o teor médio da fruta fresca é 1,4% em uma porção de 100g). A marca Oderich apresentou inusitados 1,67% de fibras.

Na degustação, os mais apreciados foram Great Value, Cepêra, Fugini e Olé. O menos apreciado foi Red Indian, descrito como "sem sabor, aguado". Ironicamente, esta é a marca mais cara.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Salada de chuchu cru, passas e iogurte

Quem me falou sobre uma salada de chuchu cru foi a Carla, jornalista de Pernambuco. Ela adora e aprendeu no livro de saladas do restaurante Celeiro, do Rio. Achei a receita na internet, mas eu não tinha os ingredientes. Daí que fiz uma salada com o que tinha em casa. Ficou muito saborosa e refrescante, ideal para estes dias quentes de Porto Alegre.

Ingredientes:
1 chuchu médio ralado no ralo grosso
1/2 colher de sopa de sal marinho (dá para usar o comum)
2 colheres rasas de passas de uva branca
2 colheres cheias de iogurte natural gelado
1 colher de sobremesa de limão

Modo de fazer:
1. Misture o chuchu e o sal, coloque em uma peneira e deixar escorrer por uma hora para desidratar. Eu deixei na geladeira, assim já ficava gelado.
2. Lave o chuchu em água corrente para tirar o excesso de sal. Esprema bem (na peneira mesmo, pressione o chuchu com as costas de uma colher; sai todo o líquido em excesso).
3. Misture o chuchu com o iogurte, as passas e o suco de limão. Veja se está bom de sal.
4. Sirva imediatamente. Como eu levei na minha marmitinha para o almoço, deixei o limão para colocar na hora.